Consultorias

31.2557-8888 | 31.9 7596-0000

Novidades

LEIA MAIS NESTE PORTFÓLIO ABAIXO SOBRE NOSSOS SERVIÇOS DE CONSULTORIA, AUDITORIA E TREINAMENTOS. CASO NÃO ENCONTRAR O QUE PRECISA SERÁ UM PRAZER ATENDER CLIQUE EM CONTATO E DIGA-NOS COMO PODEMOS AJUDAR!


​QUALIDADE

servicocertiso9001ISO 9001 – A ISO 9001 é de longe a estrutura de qualidade melhor estabelecida, sendo largamente utilizada por diversas organizações no mundo inteiro. E um padrão não só para sistemas de gestão da qualidade, mas para sistemas de gestão em geral. Permitindo todos os tipos de organizações a obter sucesso através da sua capacidade para fornecer produtos ou serviços que atenda de forma consistente os requisitos de seus clientes. Esta norma agrega valor a imagem da empresa, confere competitividade e força comercial. Adicionalmente, a ISO 9001 foi desenvolvida para ser compatível com outras normas e especificações de sistemas de gestão, tais como a OHSAS 18001 de Saúde Ocupacional e de Segurança e a ISO 14001 de Meio Ambiente. Elas podem ser integradas perfeitamente através de Gestão Integrada. Estas normas compartilham muitos princípios comuns, portanto a escolha de um sistema de gestão integrada pode agregar um excelente valor pelo investimento.
Benefícios:

    Maior responsabilidade e consciência da qualidade entre as equipes;
    Melhor uso do tempo e recursos;
    Redução de perdas e falhas nos processos;
    Maior consciência e possibilidade de rastreamento dos produtos e serviços;
    Resolução de problemas com agilidade e precisão;
    Aumenta a visibilidade da Organização no mercado em geral.


SASSMAQ

servicologosassmaqO SASSMAQ é uma sigla que significa sistema de avaliação de segurança, saúde, meio ambiente e qualidade. O SASSMAQ possibilita uma avaliação do desempenho nestas áreas citadas, nas empresas que prestam serviços à indústria química. A avaliação das empresas é feita por organismos certificadores independentes credenciados pela Abiquim. A avaliação pelo SASSMAQ não é obrigatória, mas sua aplicação gera um importante diferencial, pois é a comprovação de que oferecem serviços de transporte e operações logística qualificados.
Benefícios:

    Diferencial de mercado;
    Melhora a pontuação no BDT da Petrobrás;
    Habilita-se o Transportador para transportar líquidos e combustíveis para distribuidoras específicas;
    Maior alcance de mercado;
    Segurança nas operações diminuindo o número de acidentes e ocorrências em geral;
    Maior alcance de mercado e possibilidade de melhor frete para cargas químicas em geral;
    Consolida a credibilidade da transportadora junto a clientes, fornecedores e colaboradores de um modo geral.


AUDITORIAS:

ISO 9001 – A auditoria é caracterizada pela confiança em alguns princípios. Estes fazem da auditoria uma ferramenta eficaz e confiável em apoio a políticas de gestão e controles, fornecendo informações sobre as quais uma organização pode agir para melhorar seu desempenho. Estes princípios são:

    Conduta ética: o fundamento do profissionalismo. (Confiança, integridade, confidencialidade e discrição são essenciais para auditar).
    Apresentação justa: a obrigação de reportar com veracidade e exatidão. (Constatações de auditoria, conclusões de auditoria e relatórios de auditoria refletem verdadeiramente e com precisão as atividades da auditoria).
    Devido cuidado profissional: a aplicação de diligência e julgamento na auditoria. (Nossos auditores tomam o devido cuidado necessário considerando a importância da tarefa que eles executam e a confiança colocada neles pelos nossos clientes de auditoria e outras partes interessadas).
    Ter a competência necessária: Este é um fator importantíssimo. Nossos trabalhos de auditorias são conduzidos por auditores qualificados e com vasta experiência em sistema de gestão e usará como referência na condução dos trabalhos a NBR ISO 19011.


SASSMAQ – A Auditoria cobre basicamente seis áreas dentro das organizações que são:

1.Gerenciamento: que aborda aspectos como responsabilidades de gerenciamento, treinamentos, relatórios e investigações de não-conformidades, pessoal, promoção de atitudes, auditoria e revisão de sistemas de gerenciamento, etc.

2.Saúde, segurança e meio ambiente: Onde são verificados se estão sendo mantidos padrões elevados em segurança, saúde e cuidado ambiental e se há a devida preocupação pela proteção dos funcionários, do público e do ambiente.

3.Equipamentos: São analisadas evidências de como a organização executa operações seguras e confiáveis, considerando especificação de equipamentos, projetos seguros, exigindo a existência de programas de inspeção e manutenção de rotina.

4.Planejamento das operações: resume-se as atividades operacionais e administrativas diárias que devem ser examinadas pelo auditor na busca de confirmar a existência de sistemas e procedimentos adequados de controle, bem como de que esses sistemas estão sendo seguidos.

5.Segurança patrimonial e confidencialidade: espera-se que a devida atenção seja dada aos aspectos de segurança que afetam as informações e a propriedade dos clientes. E relevante um exame de normas e procedimentos, controle de acesso e inspeções regulares de segurança para coibir vandalismos e atitudes fora do padrão.

6.E por fim teremos a última área deste processo que trata-se de uma inspeção do local, pois as instalações em si denota-se em resumo como isto é tudo é tratado na organização.

Todo estes apontamentos são colocados em um relatório final simplificado e objetivo de modo a auxiliar na análise dos desafios e ações necessárias para a Empresa se adequar às normas e critérios do SASSMAQ.


Segurança do Trabalho

servicosegtrabOHSAS 18001 – Esta norma internacional, aplicável a todas as organizações, que deseja definir, gerir e melhorar os requisitos e exigências relacionadas à Segurança e Saúde do trabalho. Através do mapeamento e o controle de seus riscos de forma abrangente é possível agregar valor a imagem da Organização, aprimorando significativamente a eficácia das operações internas e consequentemente reduzir os acidentes e paradas na operação por problemas com a segurança. Pós isso sua adoção contribui também para reduzir os custos de uma forma geral.
Benefícios:

    Disseminação de uma cultura de segurança;
    Aumento do controle sobre as atividades potencialmente perigosas e redução de riscos;
    Constituir evidências de atendimento a requisitos legais;
    Redução das perdas por paradas na produção em decorrência de acidentes;
    Redução dos custos e perdas do negócio relacionados a afastamentos por doenças do trabalho, lesões provocadas por acidentes em geral.


Meio Ambiente

servicocertiso14001ISO 14001 – Norma internacional que especifica um processo para controlar e melhorar o desempenho ambiental de uma Organização. Além de ser um instrumento de promoção da imagem da Empresa é valiosa para revisar o processo produtivo dentro dos moldes ambientais de sustentabilidade. É possível por exemplo identificar desperdícios, má gestão de recursos e outras oportunidades de melhoria, além reconhecer e gerenciar todos os aspectos e impactos ambientais oriundos da atividade evitando passivos e problemas por descumprimento da Legislação.
Benefícios:

    Fortalecimento do conceito de sustentabilidade;
    Aumenta a visibilidade da Organização no mercado nacional e internacional;
    Consolida a credibilidade junto a clientes, fornecedores e colaboradores;
    Cria diferencial competitivo para cadeia produtiva internacional, oportunizando participar de concorrências ou exportar;
    Possibilita até mesmo obter financiamentos a juros mais convidativos para quem tem um Sistema de Gestão Ambiental. Caso a Organização tenha um bom histórico de respeito ao meio ambiente, as chances de conseguir empréstimos a custos mais baixos aumentam significativamente (considerando-se bancos públicos).

 ​
Requisitos Legais


Possibilita a organização saber com precisão o estado em que se encontra perante os requisitos Legais das NR’s (normas regulamentadoras) do Ministério do Trabalho. Nesta auditoria são identificando os pontos fortes e fracos da organização quanto às questões de Saúde e Segurança do Trabalho que consiste em:

Coletar de dados;
Entrevistar pessoas;
Analisar documentos;
Identificar os principais riscos;
Identificar medidas de controle;
Avaliar a coerência das informações e
Calcular a estimativa de multas em função das irregularidades encontradas.

O resultado final pode ser avaliado através do ICNR – Índice de Conformidade das Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho.

Abaixo as NR’s que compõem esta auditoria:

Norma Regulamentadora Nº 01 - Disposições Gerais;
Norma Regulamentadora Nº 02 - Inspeção Prévia;
Norma Regulamentadora Nº 03 - Embargo ou Interdição;
Norma Regulamentadora Nº 04 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho;
Norma Regulamentadora Nº 05 - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA;
Norma Regulamentadora Nº 06 - Equipamentos de Proteção Individual – EPI;
Norma Regulamentadora Nº 07 - Programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO;
Norma Regulamentadora Nº 08 – Edificações;
Norma Regulamentadora Nº 09 – Programas de Prevenção de Riscos Ambientais – PPRA;
Norma Regulamentadora Nº 10 – Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade;
Norma Regulamentadora Nº11 – Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais;
Norma Regulamentadora Nº 12 – Segurança no Trabalho em Máquinas e Equipamentos;
Norma Regulamentadora Nº 13 – Caldeiras e Vasos de Pressão;
Norma Regulamentadora Nº 14 – Fornos;
Norma Regulamentadora Nº 15 – Atividades e operações Insalubres;
Norma Regulamentadora Nº 16 – Atividades e Operações Perigosas;
Norma Regulamentadora Nº 17 – Ergonomia;
Norma Regulamentadora Nº 18 – Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção;
Norma Regulamentadora Nº 19 – Explosivos;
Norma Regulamentadora Nº 20 – Segurança e Saúde no Trabalho com Inflamáveis e Combustíveis;
Norma Regulamentadora Nº 21 - Trabalho a Céu Aberto;
Norma Regulamentadora Nº 22 - Segurança e Saúde Ocupacional na Mineração;
Norma Regulamentadora Nº 23 – Proteção Contra Incêndios;
Norma Regulamentadora Nº 24 – Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho;
Norma Regulamentadora Nº 25 - Resíduos Industriais;
Norma Regulamentadora Nº 26 - Sinalização de Segurança;
Norma Regulamentadora Nº 27 - Revogada pela Portaria GM n.º 262, 29/05/2008 que trata do Registro Profissional do Técnico de Segurança do Trabalho no MTB;
Norma Regulamentadora Nº 28 - Fiscalização e Penalidades;
Norma Regulamentadora Nº 29 - Segurança e Saúde no Trabalho Portuário;
Norma Regulamentadora Nº 30 - Segurança e Saúde no Trabalho Aquaviário;
Norma Regulamentadora Nº 30 - Pesca Comercial e Industrial;
Norma Regulamentadora Nº 31 - Segurança e Saúde no Trabalho na Agricultura, Pecuária Silvicultura, Exploração Florestal e Aquicultura;
Norma Regulamentadora Nº 32 - Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde;
Norma Regulamentadora Nº 33 - Segurança e Saúde no Trabalho em Espaços Confinados;
Norma Regulamentadora Nº 34 - Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção e Reparação Naval.
Norma Regulamentadora Nº 35 - Trabalho em Altura;
Norma Regulamentadora n.º 36 (NOVO) - Segurança e Saúde no Trabalho em Empresas de Abate e Processamento de Carnes e Derivados.


OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS EM SEGURANÇA DO TRABALHO

1. PPRA – Programa de Prevenção de Riscos Ambientais: O PPRA é obrigatório e deve ser estabelecido e implementado, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, visando à preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho. O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, devendo estar articulado com o disposto nas demais NR’s, em especial com o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO previsto na NR-7.

2. PCMSO – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional: O PCMSO é obrigatório e deve ser estabelecido e implementado por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, com o objetivo da promoção e preservação da saúde do conjunto dos seus trabalhadores.

3. PGR – Programa de Gerenciamento de Riscos: O PGR é obrigatório para toda Empresa ou Permissionário de Lavra Garimpeira. E este documento deve ser implementado contemplando os aspectos da NR-22, incluindo, no mínimo, os relacionados a:

a) riscos físicos, químicos e biológicos;
b) atmosferas explosivas;
c) deficiências de oxigênio;
d) ventilação;
e) proteção respiratória, de acordo com a Instrução Normativa n.º 1, de 11/04/94, da Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho;
f) investigação e análise de acidentes do trabalho;
g) ergonomia e organização do trabalho;
h) riscos decorrentes do trabalho em altura, em profundidade e em espaços confinados;
i) riscos decorrentes da utilização de energia elétrica, máquinas, equipamentos, veículos e trabalhos manuais;
j) equipamentos de proteção individual de uso obrigatório, observando-se no mínimo o constante na Norma Regulamentadora Nº 6.
l) estabilidade do maciço;
m) plano de emergência e
n) outros resultantes de modificações e introduções de novas tecnologias.

4. PCMAT – Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção: O PCMAT é obrigatório para todos os estabelecimentos com 20 (vinte) trabalhadores ou mais, que estejam trabalhando na indústria da Construção. Para todos os efeitos Consideram-se atividades da Indústria da Construção as constantes do Quadro I, Código da Atividade Específica, da NR 4 - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho e as atividades e serviços de demolição, reparo, pintura, limpeza e manutenção de edifícios em geral, de qualquer número de pavimentos ou tipo de construção, inclusive manutenção de obras de urbanização e paisagismo.

5. PCA – Programa de Conservação Auditiva: Conjunto de ações de conscientização, avaliação, medição de ruído ocupacional, controles de engenharia, adoção correta de equipamento de proteção individual, controles, monitoramento de audiometrias e/ou medidas administrativas que tem por objetivo preservar a saúde auditiva dos funcionários. A implementação deverá ser feita seguindo as seguintes etapas:

1. Conscientização dos funcionários (treinamentos);
2. Medição e avaliação dos níveis de ruídos na empresa (dosimetrias);
3. Avaliação da exposição do ruídos dos funcionários (Audiometrias);
4. Seleção e implantação do uso de Protetores Auditivos nas áreas de ruídos com ruídos acima do nível de ação;
5. Desenvolvimento de procedimentos, normas e medidas administrativas, a fim de tornar o uso obrigatório bem como estabelecer medidas disciplinares;
6. Pesquisar e implementar medidas para redução de ruídos nas máquinas, equipamentos e operações ruidosas em geral;
7. Reciclagem periódica de conscientização dos funcionários referente a preservação auditiva e efetuar o controle e monitoramento dos resultados.

6. PPR – Programa de Proteção Respiratória: O PPR é um conjunto de medidas práticas e administrativas que devem ser adotadas por toda empresa onde existir contaminantes que podem serem inalados durante a jornada de trabalho tais como: poeiras, fumos, névoas, fumaças, gases e vapores que tenha ou possa ter potencial para provocar algum tipo dano ao trabalhador.  O propósito do PPR é proporcionar o controle de doenças ocupacionais provocadas pela inalação de contaminantes em geral. Além disso, faz se necessária recomendações para elaboração, implantação e administração de um programa de como selecionar e usar corretamente os equipamentos de proteção respiratória a fim de obter a proteção adequada.

7. PPP – Perfil Profissiográfico Previdenciário: O PPP constitui-se em um documento histórico-laboral do trabalhador que reúne, entre outras informações, dados administrativos, registros ambientais e resultados de monitoração biológica, durante todo o período em que o trabalhador este exerceu suas atividades. Tendo sua elaboração obrigatória a partir de 01.01.2004 (data fixada pela IN INSS/DC 96/2003) o PPP tem por objetivo primordial fornecer informações para o trabalhador quanto às condições ambientais de trabalho, principalmente no requerimento de aposentadoria especial.

O PPP tem como finalidade:

Comprovar as condições para habilitação de benefícios e serviços previdenciários, em particular, o benefício de aposentadoria especial;
Prover o trabalhador de meios de prova produzidos pelo empregador perante a Previdência Social, a outros órgãos públicos e aos sindicatos, de forma a garantir todo direito decorrente da relação de trabalho, seja ele individual, ou difuso e coletivo;
Prover a empresa de meios de prova produzidos em tempo real, de modo a organizar e a individualizar as informações contidas em seus diversos setores ao longo dos anos, possibilitando que a empresa evite ações judiciais indevidas relativas a seus trabalhadores;
Possibilitar aos administradores públicos e privados acesso a bases de informações fidedignas, como fonte primária de informação estatística, para desenvolvimento de vigilância sanitária e epidemiológica, bem como definição de políticas em saúde coletiva.

O PPP foi criado para substituir os antigos formulários denominados SB 40, DISES BE 5235, DSS 8030 e DIRBEN 8030, os quais sempre foram de preenchimento obrigatório apenas para aqueles trabalhadores que laboram expostos a agentes nocivos à sua saúde, sua exigência legal se encontra no artigo 58 da Lei 8.213/91.

8. LTCAT – Laudo Técnico de Condições Ambientais do Trabalho: O LTCAT dever ser elaborado respeitando a seguinte estrutura:

I - reconhecimento dos fatores de riscos ambientais;
II - estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle;
III - avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores;
IV – especificação e implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia;
V - monitoramento da exposição aos riscos;
VI - registro e divulgação dos dados;
VII – avaliação global do seu desenvolvimento, pelo menos uma vez ao ano ou sempre que ocorrer qualquer alteração no ambiente de trabalho ou em sua organização, contemplando a realização dos ajustes necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades.

 O reconhecimento dos fatores de riscos ambientais, deve-se contemplar:

a) a identificação do fator de risco;
b) a determinação e localização das possíveis fontes geradoras;
c) a identificação das possíveis trajetórias e dos meios de propagação dos agentes no ambiente de trabalho;
d) a identificação das funções e determinação do número de trabalhadores expostos;
e) a caracterização das atividades e do tipo da exposição;
f) a obtenção de dados existentes na empresa, indicativos de possível comprometimento da saúde decorrente do trabalho;
g) os possíveis danos à saúde, relacionados aos riscos identificados, disponíveis na literatura técnica;
h) a descrição das medidas de controle já existentes.

O LTCAT deverá ser assinado por engenheiro de segurança do trabalho, com o respectivo número da Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) junto ao Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA) ou por médico do trabalho, indicando os registros profissionais para ambos.

São consideradas alterações no ambiente de trabalho ou em sua organização, entre outras, aquelas decorrentes de:

I – mudança de layout;
II - substituição de máquinas ou de equipamentos;
III – adoção ou alteração de tecnologia de proteção coletiva;
IV - alcance dos níveis de ação estabelecidos no subitem 9.3.6 da NR-09, aprovadas pela Portaria Nº 3.214, de 1978, do MTE, se aplicável;
V - extinção do pagamento do adicional de insalubridade.

9. Outros laudos, programas e documentos: Desenvolvemos também outros Laudos, programas e documentos customizados de acordo com a sua necessidade como por exemplo:

Relatório qualitativo de verificação e diagnóstico de emprego de pcb’s;
PPRPS – Programa de prevenção de riscos em prensas e similares;
Planos de emergência;
POP’s – Procedimentos operacional padrão de segurança em geral;
ART – Análise de risco da tarefa;
Ordem se serviços de acordo com a NR-01;
Mapa de risco,
Etc.

Medições e avaliações quantitativas:

1. Avaliação de ruído perimetral: E uma avaliação de ruído no entorno da organização seguindo diretrizes Nacionais, Estaduais e ou Municipais. A avaliação do ruído ambiental tem várias necessidades dentre elas destacamos:

Liberação de alvará de funcionamento;
Manutenção da qualidade de vida de vizinhos no entorno da organização;
Controle de poluição sonora e pesquisa de suposto incomodo;
Cumprimento da Legislação.

2. Avaliação de ruído ocupacional: A dosimetria de ruído e uma avaliação do ruído que o trabalhador está exposto. Tendo seus limites definidos neste quadro da NR-15 da Portaria 3214/78 do MTE, e compreende um monitoramento de 100% da jornada de trabalho.

3. Avaliações químicas em geral: Realizamos avaliações a nível ocupacional dos seguintes agentes e compósitos químicos:

ALUMINIO, CADMIO, CALCIO, CHUMBO, COBALTO, COBRE, CROMO, ESTANHO, FERRO, HIDRÓXIDO DE SÓDIO, MAGNÉSIO,

MANGANÊS, MOLIBDÊNIO, NÍQUEL, PRATA, TITÂNIO, ZINCO, VARREDURA METAIS (11 ELEMENTOS), ÁCIDO CRÔMICO, ÁCIDO FOSFÓRICO, AMÔNIA - NH3, CLORO CL2, DIÓXIDO DE ENXOFRE SO2, FORMALDEÍDO, NO & NO2, OZÔNIO - O3, P,P-DIFENILMETANO - DIISOCIANATO -MDI, 2,4 TOLUENO DIISOCIANATO - TDI, NÉVOA DE ÓLEO MINERAL, NEGRO DE FUMO, PNOC,

SÍLICA (SiO2) - RESPIRÁVEL, SÍLICA (SiO2) - TOTAL, ACETATO DE N-BUTILA, ACETATO DE ETILA, ACETATO DE ISOAMILA, ACETONA, ACETONITRILA-CIANETO DE METILA, ACIDO ACÉTICO, ACRILONITRILA -CIANETO DE VINILA, ALCOOL ISOAMILICO, BENZENO, BTX,

CICLOHEXANO, CICLOHEXANONA, CLORETO DE METILENO -DICLOREMETANO,   

    01. CLORETO DE VINILA -CLOROETILENO    
    02. CLOROFÓRMIO
    03. CRESÓIS
    04. ESTIRENO
    05. ETANOL
    06. ETÉR ETÍLICO
    07. ETILBENZENO
    08. FENOL
    09. ISOBUTANOL (78-83-1)
    10. ISOPROPANOL
    11. METANOL
    12. MEK (2-BUTANONA)
    13. MIBIK
    14. N- BUTANOL
    15. N- HEXANO
    16. N- PENTANO
    17. NAFTALENO
    18. NAFTAS (ETER DE PERTOLEO)
    19. N-HEPTANO
    20. 1,1,2,2 TETRABOMOETANO
    21. TETRACLORETO DE CARBONO
    22. TETRACLOROETILENO - PERCLOROETILENO
    23. TOLUENO
    24. TRICLOROETILENO
    25. XILENOS
    26. VARREDURA VAPORES (12 AGENTES)
    27. ACIDO BROMIDRICO
    28. ACIDO CLORIDRICO
    29. ACIDO FLUORIDRICO
    30. ACIDO FOSFORICO
    31. ACIDO NITRICO e
    32. ACIDO SULFURICO


4. Avaliações de temperatura, umidade e velocidade do ar: Esta avaliação é especifica para o conforto do ambiente de trabalho. Utilizamos os seguintes equipamentos termômetro, higrômetro e anemômetro.

5. Avaliação de calor (IBUTG): A exposição ao calor deve ser avaliada através do "Índice de Bulbo Úmido Termômetro de Globo" - IBUTG definido pelas equações que se seguem:
Ambientes internos ou externos sem carga solar: IBUTG = 0,7 tbn + 0,3 tg
Ambientes externos com carga solar: IBUTG = 0,7 tbn + 0,1 tbs + 0,2 tg
onde:
tbn = temperatura de bulbo úmido natural
tg = temperatura de globo
tbs = temperatura de bulbo seco.
As medições devem ser efetuadas no local onde permanece o trabalhador, à altura da região do corpo mais atingida.

6. Avaliação de iluminação: Realizamos a avaliação de iluminamento conforme a ABNT NBR ISO/CIE 8995-1:2013, que substituiu a NBR 5413 de 1992.


TREINAMENTOS

O nosso portfólio de treinamentos e palestras é completo dentre os principais listamos:

01. OHSAS 18001 – Interpretação e Implementação de Requisitos: Capacitar os participantes na interpretação e implementação dos requisitos da norma OHSAS 18001, além de promover conceitos básicos de redução de riscos, fundamentos e princípios da Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional.
Conteúdo Programático:

    Nivelamentos dos Conceitos;
    O que é a OHSAS 18001;
    Evolução de conceitos e práticas em Segurança e Saúde Ocupacional;
    Conceitos sobre o Gerenciamento dos riscos na indústria;
    PDCA da norma OHSAS 18001;
    Os requisitos e os elementos da norma OHSAS 18001;
    Documentação do Segurança e Saúde Ocupacional;
    Correlação entre as normas ISO 9001 / ISO 14001 / OHSAS 18001;
    Certificação do Segurança e Saúde Ocupacional;
    Estudos de casos e exercícios;
    Avaliação de aprendizagem.


02. Identificação de Perigos e Avaliação de Riscos: Apresentar aos participantes os conceitos de perigos, danos e riscos, sua importância como elementos de referências para estrutura do Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional, além de fornecer metodologias para identificação dos perigos e avaliação de riscos associados às atividades, produtos e serviços das organizações.
Conteúdo Programático:

    PDCA da norma OHSAS 18001;
    Definições de perigos, danos e riscos;
    Mapeamento de atividades por processos;
    Metodologia para identificação dos perigos e danos por atividade em situações normais, anormais e de emergência;
    Metodologia para avaliação de riscos;
    Identificação de medidas de controle;
    Registros dos perigos, danos e riscos;
    Gerenciamento dos riscos identificados;
    Comunicação dos perigos e riscos às partes interessadas relevantes;
    Exercícios práticos.


03. Treinamento NR’s:  Apresentar aos participantes os principais requisitos legais das NR’s, sua aplicação e importância. Detalhar o impacto do não cumprimento como geração de passivos, paralizações, embargos e interdições.
Conteúdo Programático:

    Evolução da Legislação de Saúde e Segurança no Brasil e histórico das NRs;
    Apresentação das NRs com comentários dos pontos chaves de cumprimento.


04. Preparação do Plano de Resposta às Emergências: Apresentar aos participantes os principais componentes de um plano de atendimento à emergências – PAE, orientando-os sobre o desenvolvimento e elaboração do mesmo, tendo por base os cenários de riscos ambientais de saúde e segurança.
Conteúdo Programático:

    Apresentação dos Conceitos de PAE;
    Situação Potencial de Emergência SPE, Ação Preventiva, Ação Mitigadora e Controle;
    Entendimento das relações Causa x Efeito;
    Emergências x respostas;
    Acidentes potenciais;
    O que é um PAE (estrutura, desenvolvimento, elementos-chave);
    Etapas de Implantação de um PAE.


05. Treinamento de Brigada de Incêndio: Capacitar funcionários da empresa a desempenhar a função de Brigadista de Incêndio dentro da técnica, de acordo com o previsto na NBR 14276.
Conteúdo Programático:

    Apresentação dos Cenários de risco;
    Avaliação, Controle e Atendimento a Emergência;
    Segurança da Equipe de Combate a Emergência;
    Apresentação dos Equipamentos de Combate a Emergência;
    Uso correto de Extintores de Incêndio;
    Montagem de Linhas de Combate e uso de Hidrantes;
    Primeiros Socorros.


06. Treinamento para Funcionários sobre o uso de Extintores de Incêndio: Capacitar funcionários em geral no uso correto de todos os tipos de extintores de incêndio.
Conteúdo Programático:

    Triângulo do Fogo;
    Tipos de Incêndios;
    Tipos de Extintores;
    Entendendo os Materiais Combustíveis;
    Avaliação Periódica e manutenção dos Equipamentos de Proteção Coletiva;
    Treinamento Teórico e Prático.


07. Treinamento de Primeiros Socorros: Capacitar os participantes no atendimento de ocorrências envolvendo vítimas.
Conteúdo Programático:

    CABD do atendimento de Primeiros Socorros;
    Parada cárdio respiratória;
    Fraturas;
    Queimaduras;
    Hemorragias;
    Traumas em geral.


08. Treinamento de Direção Defensiva: Sensibilizar os participantes para assumirem uma postura preventiva e pró-ativa na condução de veículos, contribuindo para a redução de acidentes de trânsito e dentro de minas e obras em geral.
Conteúdo Programático:

    Regras básicas de circulação em obras, mina e periferias;
    Orientação de condução segura;
    Proibições e deveres dos condutores;
    Bebidas, drogas e a incompatibilidade com o exercício profissional da função de motorista;
    Check-list e vistorias realizadas pelos condutores;
    Assessórios e equipamentos obrigatórios incluindo:

    01. Brake Light (Luz de freio auxiliar);
    02. Cintos de segurança três pontos e encosto de cabeça para todos os ocupantes;
    03. Santo Antônio (ROPS) externo no caso de caminhonetes;
    04. Extintores de incêndio compatível com o tamanho do veículo;
    05. Vidro dianteiro laminado;
    06. Grade de proteção no vidro traseiro em caso de caminhonetes;
    07. Pneus em boas condições e proibição de uso de pneus recauchutados;
    08. Triângulo, chave de roda, macaco e pneus sobressalente;
    09. Logomarca com o nome da empresa e identificação do veículo;
    10. Direção hidráulica e ar condicionado.

    Operação de reboque de veículos em geral;
    Procedimento de emergência.               


09. Transporte de Produtos Perigosos: Apresentar aos participantes informações sobre o gerenciamento do transporte de produtos perigosos, em conformidade com a legislação vigente.
Conteúdo Programático:

    Noções básicas de legislação, implicações, deveres e responsabilidades;
    NBR 7500, 7501, 7503, 9735, 13221 e 14619;
    Lei de Crimes Ambientais;
    Sistema de Fiscalização;
    Gerenciamento do Transporte de Produtos Perigosos;
    Documentação;
    Veículo – Características e Sinalização;
    Produtos Químicos;
    Embalagens;
    Rotulagem;
    Armazenagem;
    Gerenciamento de Emergências;
    Ficha de Emergência e Envelope;
    Equipamentos de Proteção Individual;
    Equipamento de Proteção Ambiental;
    Extintores de Incêndio;
    Incompatibilidade Química;
    Procedimentos para atendimento a emergências.


10. Treinamento em Ergonomia: Apresentar aos participantes informações sobre a importância da ergonomia na prevenção de doenças ocupacionais e as possibilidades de controle dos riscos ergonômicos. Direcionando sempre o tema à necessidade do cliente, conforme o perfil de seus funcionários e os tópicos a serem abordados.
OBS.: Nas Palestras/ treinamentos são utilizados imagens para exemplificar todas as orientações relatadas, bem como linguagem simples, de maneira participativa para facilitar o entendimento
Conteúdo Programático:

    Conceito de Ergonomia;
    Noções básicas de legislação, implicações, deveres e responsabilidades, segundo a NR 17;
    Fatores de risco;
    Intervenções preventivas em atividades com fator de risco;
    Possibilidades de adequação do mobiliário, máquinas e equipamentos com favorecimento da alternância postural, alívio da força muscular, etc;
    Ergonomia e a interface com o exame médico ocupacional;
    Importância da ginástica laboral;
    Promoção da saúde: exposição dos fatores de risco de doenças cardiovasculares, tais como HAS, Diabetes, Dislipidemias, Tabagismo e Etilismo;
    Prática de atividade física;
    Prevenção de patologias a usuários de computadores;
    Stress;
    Motivação;
    Orientação postural.


 11.  Treinamento de CIPA - Formação de Cipeiros: Capacitar os membros da CIPA no atendimento à Norma Regulamentadora 05 – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes.
Conteúdo Programático:

    Estudo do ambiente e das condições de trabalho, bem como, dos riscos originados do processo produtivo;
    Metodologia de investigação e análise de acidentes e doenças do trabalho;
    Noções sobre acidentes e doenças do trabalho decorrentes da exposição aos riscos existentes na empresa;
    Noções sobre a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida - AIDS e medidas de prevenção;
    Noções sobre legislação trabalhista e previdenciária relativas a segurança e saúde no trabalho;
    Princípios gerais de higiene do trabalho e de medidas de controle dos riscos;
    Organização da CIPA e outros assuntos necessários ao exercício das atribuições da Comissão.


12. Sensibilização em Saúde e Segurança Ocupacional para Liderança: Sensibilizar as lideranças da organização para a preservação da integridade física e mental dos colaboradores através da implantação / manutenção de novos controles.
Conteúdo Programático:

    Gestão de pessoas;
    Introdução a segurança do trabalho;
    Responsabilidade da liderança;
    Responsabilidade civil e criminal da liderança em acidentes do trabalho;
    Líderes como formadores da cultura organizacional;
    Assédio moral no trabalho;
    Principais elementos do Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional;
    Investigação de acidentes;
    Atitudes de segurança;
    Percepção de riscos;
    Controle dos riscos;
    O papel da liderança na implementação e manutenção do Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional.    


13. Sensibilização em Saúde e Segurança Ocupacional para Colaboradores: Expor aos colaboradores a importância de suas ações num Sistema de Gestão de Saúde e Segurança Ocupacional, demonstrando as responsabilidades e consequências, perigos e danos presentes no ambiente laboral frente ao aspecto comportamental e obrigações da organização.
Conteúdo Programático:

    Importância da Saúde e Segurança Ocupacional para o indivíduo, sua família e comunidade;
    Percepção de riscos;
    Perigos e danos;
    Acidentes do trabalho;
    Investigação de acidentes;
    Medidas de Controle;
    Aspecto comportamental no controle dos riscos;
    Atitudes de segurança.


14. Ciclos de conscientização rápidas no próprio ambiente de trabalho (on the job): Este tipo de treinamento é interativo e visa despertar a consciência do trabalhador sobre assuntos específicos é fornecido junto com a explanação verbal um documento (one page) que contém um resumo do treinamento para permitir uma melhor fixação do assunto pelo trabalhador.
Conteúdo Programático:

    Especifico e customizado a necessidade de cada cliente.


15. EPI’s uso guarda e conservação: O objetivo principal deste treinamento é conscientizar o funcionário do uso correto e conservação dos equipamentos de proteção individual (E.P.I’s) orientando o colaborador para a finalidade que se destina.
Conteúdo Programático:

    O que é um EPI;
    Modelos e tipos de Epi’s disponíveis no mercado;
    Finalidade e uso;
    Uso, guarda e conservação;
    Responsabilidade do colaborador quanto ao EPI;
    Responsabilidades do Empregado quanto ao EPI;
    CA – Certificado de Aprovação;
    Quando devo trocar meu EPI;
    Registro de fornecimento;
    Limitações de uso e proteção.


16. PC - 004 – Treinamento básico em segurança e meio ambiente para postos de combustíveis: Este treinamento e obrigatório para trabalhadores que executam suas atividades no comércio varejista de combustíveis derivados de petróleo, qualificando os mesmos para desenvolver suas atividades com segurança, cuidados especiais para evitar acidentes e preservação ao meio ambiente.
Conteúdo Programático:

    Noções de operação, manutenção e controle dos equipamentos e instalações;
    Procedimentos preventivos na carga e descarga de combustíveis;
    Prevenção e combate a incêndios:
    Princípios gerais da química do fogo;

    01. Técnicas de combate a princípio de incêndios, de abandono e isolamento de áreas;
    02. Técnicas de contenção de vazamentos e derramamentos;
    03. Operação e manejo seguro dos aparelhos e dispositivos de combate a incêndios;

    Noções básicas de primeiros socorros com ênfase em:

    01. Queimaduras, choque elétrico, quadros de intoxicações/envenenamento;
    02. Ferimentos (fraturas, cortes, escoriações), desmaios, transporte e imobilização.
    03. Ressuscitação cardio-pulmonar;

    Noções de organização, limpeza e higiene no trabalho;
    Riscos potencialmente poluidores e/ou causadores de acidentes;
    Formas de tratamento dos resíduos do processo;
    Equipamentos de proteção individual e coletiva;
    Manuseio e armazenagem de produtos perigosos;
    Plano de resposta a incidentes;
    Brigada de incêndio (composição, atribuição e forma de atuação)
    Parte prática
    Combate simulado a princípio de incêndios.


17. PC - 005 – Treinamento básico para brigadas de incêndio para postos de combustíveis: Este treinamento e obrigatório para trabalhadores que executam suas atividades no comércio varejista de combustíveis derivados de petróleo, qualificando os mesmos para atuar em situações de emergência e para ingressar e atuar como membros da Brigada de Incêndio. (O dimensionamento da brigada deverá ser realizado segundo a NBR 14276 da ABNT).
Conteúdo Programático:

    Funcionamento, operação, manutenção e controle dos equipamentos e instalações;
    Procedimentos preventivos na carga e descarga de combustíveis e inflamáveis;
    Princípios gerais da química do fogo e formas de propagação;
    Métodos de extinção (isolamento, abafamento e resfriamento) e técnicas de abandono/isolamento de áreas;
    Equipamentos de combate (extintores), detecção e alarme de incêndio;
    Equipamentos de proteção coletiva e individual;
    Manuseio, armazenagem, rotulagem e descarte de produtos perigosos;
    Noções de organização, limpeza e higiene no trabalho;
    Métodos de contenção de vazamentos e remoção de resíduos;
    Plano de Atendimento a Emergências Para Postos de Combustíveis - PAE/PC (estrutura e aplicação);
    Brigada de Incêndio (formação, conduta e responsabilidades);
    Primeiros socorros (queimaduras, choque elétrico, intoxicações, fraturas, cortes, desmaios, imobilizações, etc);
    Relatório de ocorrência de sinistros e relatório de inspeção de instalações e equipamentos.


Parte prática:

    01. Mobilização dos brigadistas (formação das equipes, ponto de encontro, distribuição das tarefas, etc.);
    02. Combate simulado a incêndio;
    03. Técnicas de abandono e isolamento de áreas sinistradas;
    04. Aplicação de primeiros socorros;
    05. Execução do Plano de Atendimento a Emergências (PAE/PC);
   06. Elaboração dos relatórios de ocorrência de sinistros e de inspeção de instalações e equipamentos.


18. NR-10 Curso básico – Segurança em instalações e serviços com eletricidade: O trabalhador é capacitado para atender às solicitações de serviços com eletricidade identificando os riscos inerentes e as medidas de controle cabíveis, de forma a garantir a sua integridade física e das instalações, do meio ambiente e das pessoas que com elas interagem.
Conteúdo Programático:

    Introdução à segurança com eletricidade;
    Riscos em instalações e serviços com eletricidade;
    Técnicas de Análise de Risco;
    Medidas de Controle do Risco Elétrico;
    Normas Técnicas Brasileiras – NBR da ABNT: NBR-5410, NBR 14039 e outras;
    Regulamentações do MTE;
    Equipamentos de proteção coletiva;
    Equipamentos de proteção individual;
    Rotinas de trabalho – Procedimentos;
    Documentação de instalações elétricas;
    Riscos adicionais;
    Proteção e combate a incêndios;
    Acidentes de origem elétrica;
    Primeiros socorros;
    Responsabilidades.


19. NR-10 Curso complementar – segurança no sistema elétrico de potência (SEP) e em suas proximidades: Para este treinamento é obrigatório que o profissional tenha realizado o curso básico com aproveitamento satisfatório.
Conteúdo Programático:

    Organização do Sistema Elétrico de Potência – SEP;
    Organização do trabalho;
    Aspectos comportamentais;
    Condições impeditivas para serviços;
    Riscos típicos no SEP e sua prevenção;
    Técnicas de análise de Risco no S E P;
    Procedimentos de trabalho – análise e discussão;
    Técnicas de trabalho sob tensão;
    Equipamentos e ferramentas de trabalho (escolha, uso, conservação, verificação, ensaios);
    Sistemas de proteção coletiva;
    Equipamentos de proteção individual;
    Posturas e vestuários de trabalho;
    Segurança com veículos e transporte de pessoas, materiais e equipamentos;
    Sinalização e isolamento de áreas de trabalho;
    Liberação de instalação para serviço e para operação e uso;
    Treinamento em técnicas de remoção, atendimento, transporte de acidentados;
    Acidentes típicos – Análise, discussão, medidas de proteção;
    Responsabilidades.


20. NR-10 Reciclagem Segurança em instalações e serviços com eletricidade: O curso de reciclagem é um curso motivado por alguma situação especifica, como referência vamos utilizar o subitem 10.8.8.2 da NR-10 para definir a carga horária e conteúdo programático a fim de atender as necessidades da situação que o motivou. Caso precise de auxilio, realizaremos uma visita técnica sem custos adicionais para compor a sua proposta.

21. NR-12 Treinamento para operadores de máquinas e equipamentos: Treinamento com material didático escrito e audiovisual produzidos em linguagem adequada de fácil compreensão aos trabalhadores.
Conteúdo Programático:

    Descrição e identificação dos riscos associados com cada máquina e equipamento e suas respectivas proteções;
    Funcionamento das proteções; como e por que devem ser usadas;
    Como e em que circunstâncias uma proteção pode ser removida, e por quem, sendo na maioria dos casos, somente o pessoal de inspeção ou manutenção;
    Ações em caso de proteção danificada ou perda de função, deixando de garantir uma segurança adequada;
    Princípios de segurança na utilização da máquina ou equipamento;
    Segurança para riscos mecânicos, elétricos e outros relevantes;
    Método de trabalho seguro;
    Permissão de trabalho; e
    Sistema de bloqueio de funcionamento da máquina e equipamento durante operações de inspeção, limpeza, lubrificação e manutenção.


22. NR-13 Treinamento de segurança na operação de caldeiras: Curso para orientação quanto a operações com Segurança em Caldeiras com duração prevista de 24 horas dividido em 3 módulos (conforme descrito abaixo)
Conteúdo Programático:


MODULO 1: NOÇÕES DE GRANDEZAS FÍSICAS E UNIDADES - Carga Horária: 4 horas

Pressão
Pressão atmosférica
Pressão interna de um vaso
 Pressão manométrica, pressão relativa e pressão absoluta
Unidades de pressão
Calor e Temperatura
Noções gerais: o que é calor, o que é temperatura
Modos de transferência de calor
Calor específico e calor sensível
Transferência de calor a temperatura constante
Vapor saturado e vapor superaquecido
Tabela de vapor saturado

MODULO 2: CALDEIRAS - CONSIDERAÇÕES GERAIS - Carga horária: 08 horas

Tipos de caldeiras e suas utilizações
Partes de uma caldeira
Caldeiras flamotubulares
Caldeiras aquotubulares
Caldeiras elétricas
Caldeiras a combustíveis sólidos
Caldeiras a combustíveis líquidos
Caldeiras a gás
Queimadores
Instrumentos e dispositivos de controle de caldeiras
Dispositivo de alimentação
Visor de nível
Sistema de controle de nível
Indicadores de pressão
Dispositivos de segurança
Dispositivos auxiliares
Válvulas e tubulações
Tiragem de fumaça

MODULO 3:  OPERAÇÃO DE CALDEIRAS

Carga horária: 12 horas
Partida e parada
Regulagem e controle de temperatura e de pressão.

23. NR-18 Treinamento de segurança para construção civil: Todos os trabalhadores devem receber treinamentos admissional e periódico, visando a garantir a execução de suas atividades com segurança. O treinamento admissional deve ter carga horária mínima de 6 (seis) horas, ser ministrado dentro do horário de trabalho, antes de o trabalhador iniciar suas atividades.
Conteúdo Programático:

    Informações sobre as condições e meio ambiente de trabalho;
    Riscos inerentes a sua função;
    Uso adequado dos Equipamentos de Proteção Individual -EPI;
    Informações sobre os Equipamentos de Proteção Coletiva - EPC, existentes no canteiro de obra.


24. NR-18 Treinamento periódico de segurança para construção civil: Todos os trabalhadores devem receber treinamentos periódico toda vez que a obra mudar de fase, apresentar novos riscos e ou ainda houver qualquer situação que o motive.
Conteúdo Programático:

    Deverá ser definido de acordo com a situação que motivou o treinamento.


25. NR-33 Capacitação para trabalhadores autorizados e vigias e supervisores para trabalhos em espaço confinado: Os trabalhos em ambientes confinados são potencialmente perigosos e são responsáveis por inúmeros acidentes fatais. Muitos destes acidentes poderiam ter sido evitados através da implantação e da adoção dos procedimentos de capacitação dos trabalhadores previstos na NR 33. Este treinamento tem o seu conteúdo voltado para trabalhadores e vigias que executaram atividades em espaços confinados, permitindo uma atuação segura e responsável.
Conteúdo Programático:

    Definições de espaço confinado;
    Reconhecimento, avaliação e controle de riscos;
    Funcionamento de equipamentos utilizados;
    Procedimentos e utilização da permissão de entrada e trabalho e
    Noções de resgate e primeiros socorros.


26. NR-33 Capacitação de supervisores para trabalhos em espaço confinado: Todos os Supervisores de Entrada devem receber capacitação adequada conforme conteúdo abaixo:
Conteúdo Programático:

    Definições;
    Reconhecimento, avaliação e controle de riscos;
    Funcionamento de equipamentos utilizados;
    Procedimentos e utilização da permissão de entrada e trabalho;
    Noções de resgate e primeiros socorros.
    Identificação dos espaços confinados;
    Critérios de indicação e uso de equipamentos para controle de riscos;
    Conhecimentos sobre práticas seguras em espaços confinados;
    Legislação de segurança e saúde no trabalho;
    Programa de proteção respiratória;
    Área classificada e
    Operações de salvamento.


26. NR-35 Curso de capacitação para trabalhos em altura: Considera-se trabalho em altura toda atividade executada acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda.
Conteúdo Programático:

    Normas e regulamentos aplicáveis ao trabalho em altura;
    Análise de Risco e condições impeditivas;
    Riscos potenciais inerentes ao trabalho em altura e medidas de prevenção e controle;
    Sistemas, equipamentos e procedimentos de proteção coletiva;
    Equipamentos de Proteção Individual para trabalho em altura: seleção, inspeção, conservação e limitação de uso;
    Acidentes típicos em trabalhos em altura;
    Condutas em situações de emergência, incluindo noções de técnicas de resgate e de primeiros socorros.


27. Curso de capacitação de segurança para trabalhos com o uso de ferramentas manuais: Treinamento desenvolvido com conteúdo especifico para sensibilização de segurança para evitar acidentes com ferramentas manuais.
Conteúdo Programático:

    Conceituação de ferramentas manuais;
    Exemplos de aplicação;
    Defeitos que comprometem a segurança na utilização;
    Proteção para uso e cuidados especiais durante o manuseio;
    Ferramentas com requisitos especiais (explosão, alta rotação, ferramentas de impactos, etc.);
    Acidentes típicos com ferramentas manuais;
    Boas práticas de trabalho, uso, guarda e conservação das ferramentas manuais;
    Uso adequados dos Epi’s.


27. SIPAT: Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho. Realizamos palestras para SIPAT com temas variados. Conte-nos sobre sua necessidade que vamos te ajudar!
Conteúdo Programático:

    De acordo com a demanda do cliente.


28. Curso de conscientização ambiental: Despertar o senso de responsabilidade individual para as questões ambientais.
Conteúdo Programático:

    Conceituação de meio ambiente;
    Aspectos e impactos ambientais;
    Geração de resíduos;
    Gestão de resíduos;
    3 R’s;
    Descarte correto de resíduos;
    Gestão permanente e educação ambiental.


29. Curso de formação de auditores internos ISO-9001: O Treinamento de “Formação de Auditores Internos do Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001:2008“ está direcionado para profissionais que desejam conduzir auditorias internas ou em fornecedores na norma ISO 9001:2008 baseada na norma ISO 19011:2012 - "Guia para Auditorias em Sistema de Gestão da Qualidade e/ou Ambiental".
Conteúdo Programático:

    Conceitos e definições;
    O Processo de Certificação;
    ISO 9001:2008 – Apresentação dos Requisitos da Norma;
    Responsabilidades do Auditor;
    Papel do Auditor;
    Planejamento da Auditoria do Sistema de Gestão da Qualidade – SGQ ISO 9001;
    Não conformidades;
    Evidencias;
    As Fases da Auditoria;
    Condução da Auditoria Interna (Planejamento, Condução, Relatório, Registro, Follow up e Fechamento).


30. Curso elaboração de indicadores: Este treinamento está voltado para aplicação direta, com muita objetividade e de forma simples. Concebido para capacitação de líderes e gestores que pretende medir os seus resultados e apresenta-los.
Conteúdo Programático:

    Indicadores conceitos e definições;
    Exemplo de indicadores;
    Como elaborar um indicador;
    Representando os números em gráficos;
    PDCA e
    Plano de ação.

 

fernandoCOMPETÊNCIAS

Fernando Horta é Auditor Líder e inspetor na ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, atuando no mercado como Instrutor e Consultor de Empresas. Dentre as atividades relevantes desenvolvidas destaca-se a Implantação e Certificação de Empresas nas Normas ISO 9001, ISO 14001. OHSAS 18001 e SASSMAQ. Com mais de 2.830 pessoas treinadas em processos gerenciais, requisitos normativos, SST, MA e Qualidade, consolida-se hoje como uma excelente opção de consultoria de resultado. ertificar segurança do trabalho meio ambiente e qualidade consultoria auditoria e treinamentos

Temos a solução certa para você!

queremosaberFOI BEM ATENDIDO?
​Sua opinião vale ouro para nós!
“No mundo todo a qualidade vem em primeiro lugar, portanto o nosso propósito é superar as expectativas de nossos clientes entendendo as suas necessidades e ajudando-os a alcançar o merecido reconhecimento do mercado."

Atendimento

Avenida Marte, 1125 LJ 23
JD. Riacho das Pedras
Contagem | MG
31.2557-8888
31.9 7596-0000
E-mail: certificar@certificar.net

Nossos serviços para você:

Certificação ISO 9001
Certificação SASSMAQ
Certificação ISO 14001
Certificação OHSAS 18001
Qualificação profissional (treinamentos)
Adequação a requisitos legais em SST

Nova Iso 9001 - Gestão da Qualidade

novaiso9001Estamos preparados para atender a demanda da revisão da ISO 9001. Aproveite, mantenha a certificação da sua organização e conquiste novos mercados! Os benefícios vão além da obtenção do certificado. É possível reduzir os custos de sua operação através de uma gestão consistente com a definição de metas e indicadores fortes.  Solicite a visita de um Consultor e garanta a perpetuação de seu negócio no futuro!